Adeus, Mozart

Texto publicado hoje n’O Popular. Mais inteligente do que ver a guerra, ou as versões sensacionalistas e espetacularizadas que nos chegam dela, é pensá-la e pensar a nossa relação com as imagens dos conflitos que assolam o mundo, imagens que, não é de hoje, circulam (ou, para usar um termo atual, viralizam) por aí. É […]

Os objetos perdidos

Em que consiste a fantasmagoria de Trama Fantasma? Ou talvez o filme de Paul Thomas Anderson tenha a ver com o caráter não propriamente fantasmagórico, mas fantasmático do processo melancólico, conforme assinalado por Sigmund Freud em Luto e Melancolia e revisitado por Giorgio Agamben em Os Fantasmas de Eros (capítulo 5 do volume Estâncias). Eu […]

Ainda Stevens

Texto publicado hoje n’O Popular. Em novembro do ano recém-enterrado, discorri aqui sobre o clássico Os Brutos Também Amam (Shane). Bom, para começar 2018 falando sobre algo de que gosto (dizem que é mais saudável do que falar sobre o que odeio, desprezo ou me irrita, embora isso às vezes seja necessário), quero abordar outro […]

Cavalgar sobre o cemitério

Texto publicado n’O Popular em 28.11.2017. Os Brutos Também Amam ou, melhor dizendo, Shane é um clássico do cinema dirigido por George Stevens e lançado em 1953. Para quem não viu e para os que quiserem rever, há uma excelente cópia disponível em blu-ray no mercado brasileiro, a qual faz justiça à fotografia original, com seus planos […]

Futuro(s)

Texto publicado n’O Popular em 25.07.2017. Volta e meia nos deparamos com o uso do termo “datado” para criticar uma obra de arte, seja romance, livro, tela, filme, composição musical etc. Para o mal ou para o bem, toda obra de arte é “datada”. Em um romance do século XVIII, alguém viaja a cavalo para […]