Fome(s)

1. JR¹ é o segundo e premiado romance de William Gaddis. Lançado em 1975, vinte anos após sua estreia com o soberbo The Recognitions², é uma sátira selvagemente engraçada da América corporativa (“what America’s all about”, dizem vários personagens no decorrer do livro) e também uma reflexão pungente sobre o (não-)lugar do artista no mundo contemporâneo. […]

Noite e dia

Um pequeno trecho de ABAIXO DO PARAÍSO (Rocco, 2016) Quando se aproximava do trevo de Anápolis, o distrito industrial à direita e a cidade à esquerda, Cristiano pensou em Brasília, no que fizera (nada) e no que vira (muito) por lá. Dois modos de se situar na cidade, ou de confrontá-la. Não saberia dizer qual […]

Histórias sobre histórias

Versão estendida de uma resenha publicada n’O Popular. A voz do outro está aí desde sempre. Nós é que muitas vezes não nos dispomos a ouvi-la. Ela fala com a gente nas ruas e também por meio dos livros, dos filmes, da música etc. Basta prestar atenção. Com isso em mente, sugiro que atentemos para […]

Traduções

Mais dois livros que traduzi chegam às livrarias por esses dias: Lixo – Como a sujeira dos outros molda a nossa vida, de Theodore Dalrymple, e o soberbo Os Deuses da Revolução, de Christopher Dawson. Ambos são lançamentos da É Realizações. Dalrymple propõe uma reflexão cáustica e invulgar sobre a sujeira que espalhamos por aí […]

Do silêncio armado

Artigo publicado na décima edição da Revista Helena. À memória de Aldair da Silveira Aires.    1. Na obra caudalosa do mato-grossense Ricardo Guilherme Dicke (1936-2008), o diabo não está “na rua, no meio do redemoinho”, mas surdamente exposto, nu e às vistas de todos, tomando os nossos olhos para si. Madona dos Páramos¹, romance […]

Dos reconhecimentos possíveis

Publicado na edição 225 do Rascunho. — Mas você está… você está trabalhando. Você é um artista? — Sim, e vivi como um ladrão. 1. The Recognitions¹ é o romance de estreia do nova-iorquino William Gaddis (1922-1998). Quando de seu lançamento, em 1955, foi massacrado pela crítica (que, salvo por algumas raras exceções, nem se deu ao trabalho de […]

Amóz Oz: uma despedida.

Texto publicado hoje no Estadão. Na obra de Amós Oz estão a violência intrínseca ao doloroso trabalho de parto do Estado de Israel e à sua manutenção nos moldes atuais, o “sonho bonito” dos primeiros tempos e a aridez de uma sociedade cindida. Longe de ser uma voz solitária ecoando desde o deserto, à beira […]