Charles

Certa vez, em uma aula sobre Peirce, o professor me explicou: “O geral não aparece, não pode ser apontado topicamente. O universal é espaço-temporalmente contínuo, não extenso. Só pode ser alcançado inferencialmente”. E depois eu li no livro desse mesmo professor: “Do viés epistemológico, a recusa do incogonoscível traduz-se na recusa da brutalidade do inexplicável; […]

‘Das himmlische Leben’

Ouvindo a Quarta de Mahler, talvez a mais contida das sinfonias dele. O quarto e último movimento é (inusualmente) uma canção. Uma criança (interpretada por uma soprano) nos fala desde o Paraíso, descrevendo a preparação de um banquete. “Kein’ Musik ist ja nicht auf Erden / Die unsrer verglichen kann werden”, ela canta a certa […]

Vista do ‘Eufrates’ (II)

Outro dia, saíra mais cedo do colégio e, não querendo ir para casa, ficou zanzando pela cidade. Entrou no primeiro salão que viu e deu sorte porque estava vazio; se tivesse de esperar, o mais provável é que desistisse. — Corta bem joãozinho — pediu. — Passa logo a dois. Tão curto que a mãe […]

Encruzilhada (II)

“Sim, a literatura não cura, é paliativo. Contudo, a ela devo não me ter suicidado quando perdi a Fé, escapado ao hospício (Para lá quase me conduziram as taras de uma família de líricos, capitães de navios negreiros, fazendeiros-poetas e um pintor de igrejas). Sei que ela me reconduzirá a Deus, já que me reconduziu […]

Encruzilhada

“Quando a destruição de Israel teve início, Isaac Bloch estava se decidindo entre o suicídio e o exílio judaico”, escreve Jonathan Safran Foer logo no começo de Aqui Estou (Rocco). Estive diante de tal dilema em 2009. Optei por uma Guinness no pub hierosolimita Stardust e, tempos depois, citando Montale, enfim encontrei aquele modus moriendi que não […]