William(s)

Leitores brasileiros são bem servidos de traduções, mas ainda existem algumas lacunas inexplicáveis: os norte-americanos William Gaddis e William H. Gass são as maiores, acho. Gaddis já estreou com o romance que o pobre Jonathan Franzen tenta escrever a vida inteira e passa longe de conseguir: The Recognitions. Gass nos deu uma narrativa (The Tunnel) disfarçada […]

FW – notas (II)

::: Instaurada a cena (HCE), o segundo capítulo do Livro I trata de contaminá-la com o obsceno. Se, comparativamente ao diurno Ulysses, o Finnegans Wake se coloca contra o dia, o capítulo se põe/insurge contra a cena. É obscenus, mas também obscaenum, onde caenum remete à sujidade: no “nosso mais esplêndido parque”, HCE é confrontado por um sujeito de aspecto “luciferante”, alguém […]

FW – notas

::: Lendo Finnegans Wake, de James Joyce. Lendo Finnicius Revém (cinco volumes, alguns dos quais esgotados, ed. Ateliê), a tradução de Donaldo Schüler. Lendo, lendo, lendo. ::: A História como um pesadelo cíclico, confirmado pela própria estrutura do romance, um círculo completo que anoitece e amanhece conforme (ainda que disformemente) as quatro idades viconianas: teocrática, aristocrática, democrática […]

A reserva como um raro talento (ou paixão)

(…) Sem querer, Sebastian se deu conta, com, talvez, uma espécie de desamparada surpresa (porque ele esperava da Inglaterra mais do que ela podia lhe dar), que por mais sábia e docemente que seu novo ambiente realizasse seus velhos sonhos, ele próprio, ou, melhor, a parte mais preciosa dele mesmo, permaneceria tão desesperançosamente sozinho como […]

JD

Só vi hoje: na edição de janeiro do Cândido, um belo especial sobre J. D. Salinger, um dos preferidos nesta birosca, com textos de Roberto Muggiati e um bom & desprendido ensaio de Luís Augusto Fischer. Em 2014, quando do lançamento no Brasil da biografia Salinger, de Shane Salerno & David Shields, escrevi a respeito para o […]

Sunny Jim

Resenha publicada no Estadão em 16.04.2014. Antes de abordar Finn’s Hotel, e até para esclarecermos seu título, falemos um pouco sobre Nora Barnacle, a moça de Galway que fugiu de casa depois de levar uma surra de um tio, pois teria se engraçado com um rapaz protestante. Ela arranjou trabalho como camareira no Finn’s Hotel, em […]

Todos os dias, nós todos

Para a Kelly, meu riocorrente. Introibo. Para um estudo centrado no sexto capítulo do Ulysses de James Joyce (e no trecho correspondente da Odisseia de Homero), sugiro que leiam Hades, Glasnevin. Aqui, não me limito aos muros daquele cemitério, embora ainda esteja (em parte) preso à extensão do domínio da morte. 1. “Mamãe morrendo, volte.” May Joyce sofreu uma morte lenta, terrível. […]