Na terceira margem

Texto publicado hoje n’O Popular. Em se tratando das extravagâncias literárias que, dada a preguiça de pensar em um termo melhor, entendidos e desentendidos costumam classificar como “pós-modernistas”, a prosa de Donald Barthelme (1931-1989) está entre as melhores. Há outros autores, a maioria deles bem diferente entre si — só a preguiça explica essa mania […]

Dos finais felizes

Em uma carta1 para a filha, William Gaddis conta que um editor inglês se recusou a publicar Carpenter’s Gothic porque o livro seria “doloroso demais”. Lançado em 1985, o terceiro romance do autor é, de fato, o mais doloroso — e o menos engraçado — de seus livros, além de ser o mais o curto dentre […]

A literatura e o 11/09

Na edição de ontem do Estadão, publicaram um artigo meu sobre como a literatura vem lidando com os atentados de 11/09 e suas consequências. Também fiz uma lista com obras que, mal ou bem, abordam o tema, algumas delas (das melhores, claro) ainda inéditas no Brasil. Na correria, esqueci de incluir “The Suffering Channel”, conto […]

Quem puxa a ponta do próximo Kleenex?

Texto publicado hoje n’O Popular. Em 1992, o bósnio Aleksandar Hemon viajava a passeio pelos Estados Unidos quando a Guerra dos Balcãs estourou. Voltar para casa era loucura, ou mesmo impossível. Nascido em 1964, em Sarajevo, ele já era um escritor promissor em seu país natal, o qual logo seria fragmentado e devastado por aquele […]

Noite eterna

Texto publicado hoje n’O Popular. “Caracas parecia acolhedora e ao mesmo tempo terrível”, escreve Karina Sainz Borgo em Noite em Caracas, “o ninho aquecido de um animal que me olhava com olhos de serpente raivosa em meio à escuridão.” Romance de estreia da venezuelana nascida em 1982, lançado no Brasil pela Intrínseca (com tradução de […]

No cativeiro

Resenha publicada em 22.06.2013 pelo Estadão. No dia 17 de dezembro de 1996, a embaixada japonesa em Lima foi invadida por guerrilheiros do Movimento Revolucionário Túpac Amaru. Acontecia ali uma recepção oficial pelo aniversário do imperador Akihito. Centenas de pessoas foram feitas reféns e parte delas assim permaneceu por 126 dias, quando militares peruanos invadiram […]

Linhas de fuga

Ensaio publicado na edição de 08.2019 do Rascunho. Para Erwin, imediato do Rachel.   Uma leitura da segunda parte dos Diálogos de Gilles Deleuze com Claire Parnet talvez se beneficie de uma visita a Moby Dick, de Herman Melville, autor citado algumas vezes no decorrer do texto, tendo já em mente o que é exposto logo no início […]