Ali

Ali-Smith-007

“De fato, Smith transpõe sem muita sutileza (o que, nesse caso, não é ruim) a estupefação experimentada por qualquer pessoa com um mínimo de discernimento quando confrontada com a estupidez que escorre das situações mais banais. Ela o faz com sua prosa inventiva, repleta de jogos verbais, trocadilhos e rimas muito bem traduzidos por Caetano W. Galindo, sobretudo quando ligada à personagem da menina. Na verdade, pela maneira como se aproxima dessa personagem em particular, é como se a autora sugerisse que todos nós deveríamos nos distanciar do mundo por um momento, a exemplo de Miles, procurando uma reaproximação ulterior, ancorada em questionamentos tão simples quanto essenciais (…).”

Trecho da minha resenha de Suíte em quatro movimentos, de Ali Smith, publicada hoje no Estadão. Leia na íntegra AQUI.