Da memória à ficção

Dois novos livros da contista canadense Alice Munro, premiada com o Nobel de Literatura em 2013, chegaram às livrarias brasileiras. Fugitiva é, na verdade, um relançamento, com nova tradução, de uma irrepreensível coletânea de contos. A Vista de Castle Rock é, conforme definido pela autora no prefácio, um conjunto de histórias surgidas a partir de uma pesquisa feita sobre um ramo da família e, em sua segunda parte, inspiradas em acontecimentos de sua própria vida.
Comecemos por A Vista de Castle Rock. Ali, tanto no mergulho na história familiar quanto na reimaginação de sua vivência, Munro externa o quanto “o passado está cheio de contradições e complicações, talvez iguais às do presente, embora habitualmente não pensemos assim”.

Trecho da minha resenha de Fugitiva e A Vista de Castle Rock, de Alice Munro, publicada n’O Estado de S. Paulo em 13 de julho de 2014. Leia na íntegra AQUI.