Dos finais felizes

Em uma carta1 para a filha, William Gaddis conta que um editor inglês se recusou a publicar Carpenter’s Gothic porque o livro seria “doloroso demais”. Lançado em 1985, o terceiro romance do autor é, de fato, o mais doloroso — e o menos engraçado — de seus livros, além de ser o mais o curto dentre […]

Fome(s)

1. JR¹ é o segundo e premiado romance de William Gaddis. Lançado em 1975, vinte anos após sua estreia com o soberbo The Recognitions², é uma sátira selvagemente engraçada da América corporativa (“what America’s all about”, dizem vários personagens no decorrer do livro) e também uma reflexão pungente sobre o (não-)lugar do artista no mundo contemporâneo. […]

Dos reconhecimentos possíveis

Publicado na edição 225 do Rascunho. — Mas você está… você está trabalhando. Você é um artista? — Sim, e vivi como um ladrão. 1. The Recognitions¹ é o romance de estreia do nova-iorquino William Gaddis (1922-1998). Quando de seu lançamento, em 1955, foi massacrado pela crítica (que, salvo por algumas raras exceções, nem se deu ao trabalho de […]

Gaddis

“When modern devices fail, it is our nature to reach back among the cures of our fathers. If those fail, there were fathers before them. We can reach back for centuries. Gwyon appreciated the extended hands of his people less and less as the months passed. The doctors refused him information of any direct nature, […]